EX-GAYS

IMAGINEM o que é a vida de uma pessoa que nasceu numa sociedade machista e homofóbica, onde o patriarcado é quem dita seu comportamento e, portanto, não segui-lo é sinônimo de uma desobediência que leva a chacota. Acrescente nessa sociedade uma grande alienação religiosa, onde líderes das maiores religiões (por número de habitantes) possuem um expressivo poder político – lembre-se que em alguns capítulos do livro sagrado dessas religiões, o suposto  deus dirá que sua orientação/condição é imprópria, é errada, é pecado… Bem vindos ao Brasil, uma país laico só de enfeite.

Um dos grandes problemas que temos nesse país é a educação, defasada, onde muitas vezes vemos os jovens esbarrarem nas dificuldades de se ter um ensino digno e acabam não aprofundando seus interesses, principalmente nas áreas sociais e biológicas. No meio disso encontramos o verdadeiro refúgio de aprendizagem de boa parte da população: a igreja. Sendo o Brasil, principalmente a católica e a evangélica.

Essa instituição (igreja), que deveria servir de apoio na falta ou na defasagem da escola, torna-se o pilar da vida dessas pessoas, onde eles irão atrás do conhecimento via teologia. Alguns trabalhos sociais realizados pelas igrejas merecem extremo respeito e admiração, porém há um preço alto a se pagar por eles… A doutrinação dentro da fé cristã é uma das mais influentes que existem, realmente eles sabem “vender seu peixe” muito bem e utilizam disso para transformar o povo em massa de manobra, atendendo seus interesses pessoais.

Quando disse que o Brasil é um país laico apenas de enfeite, me refiro à bancada evangélica da Câmara dos Deputados, um comitê criado principalmente por pastores evangélicos que visa trazer os quereres de seu povo para dentro dos assuntos nacionais. Juram de pé junto que não interferem na laicidade do Estado, mas sabemos que isso é uma grande mentira.

A comunidade LGBTT e principalmente seu ativismo muitas vezes já esbarrou nessa bancada quando quiseram passar um projeto de melhoria social que auxiliaria na melhor inclusão dos membros da categoria no cotidiano. Ao mesmo tempo, já protagonizou vários embates com a bancada quando a mesma era a favor de projetos que denegriam a imagem deles, como a famosa “Cura Gay”.

Em meio a puxadas de rabo de um lado e de outro, o clima de tensão segue sempre sem recuar, projetos vetados como a PLC 122 ainda não foram esquecidos e declarações visivelmente homofóbicas de parte da bancada são frequentes na casa. Em quase todas elas vemos um indivíduo envolvido: o Deputado federal e pastor Marco Feliciano.

Feliciano, no auge de seu cinismo decidiu agora menosprezar a comunidade LGBTT com um termo que ele garante que existe: os EX-GAYS. E é sobre isso que meu texto vai tratar daqui para frente…

Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM)

Lembrando que esse meu texto é baseado em algumas pesquisas, em um conhecimento de causa e num “achômetro” atrelado à vivência, não necessariamente estou 100% certo ou errado.

O termo “Ex-Gay”, refere-se claro a um ser humano que teria “largado” sua “opção sexual”, que teria “voltado atrás”… Vide que Marco Feliciano é completamente leigo no assunto e não consegue diferenciar os membros dentro da categoria, não demoramos muito para ver que sua campanha não passa de um carnaval bem elaborado para vender sua ideia de que “existe uma salvação”.

E como funciona isso? Exemplo: Pense num garoto relativamente pobre que teve uma infância difícil, esse garoto então fora abusado na adolescência e logo depois decide assumir a homossexualidade (sim, gay-cis masculino estamos falando aqui), anos depois, por fatores externos e sua difícil sanidade em se curar dos traumas de infância esse garoto encontra refúgio na igreja. Lá ele irá ser bem tratado e receber todo o carinho possível, junto a isso, receberá também um bombardeio de ideologias dizendo que o mesmo se “tornou” gay por causa de sua infância conturbada e que Deus pode salvá-lo disso, até porque os efeminados não herdarão o reino dos céus (1ª Coríntios 10). Portanto, após ser muito bem tratado pela igreja e receber esses ensinamentos, com medo de cair novamente num mau caminho esse rapaz acaba se abrindo com seu padre/pastor e diz que quer “sair da homossexualidade” (normalmente nesses casos, o sujeito vai usar o termo “homossexualismo”, que vai tratar a condição como doença ou algo do gênero), esse líder religioso então vai guiá-lo nessa jornada, ensinando os caminhos de Deus e sua palavra. Após um determinado tempo esse garoto respira fundo e diz: “Eu sou um ex-gay!”.

Lindo não? Fácil e básico, porém não está cheirando alguma coisa estranha aí? Não sei… talvez isso me lembre muito algo chamado Lavagem Cerebral. Para a biologia não há mais discussão, homossexualidade (lê-se L, G, B e T) não é questão de escolha. Se é genética ou não isso é outro assunto – Confira os vídeos de um biólogo (aqui) e de um geneticista (aqui) sobre o tema -. Mas então porque ainda existe toda essa treta rondando o tema? Pois a santa psicologia ainda não tomou posição clara, alguns mais experientes acreditam que seja algo que está além de um aprendizado, no máximo há uma influência, só que essa influência na realidade vem do mundo machista e homofóbico, ou seja, o LGBT é condicionado pelo nosso mundo a ser uma pessoa cis-hétero, pois isso é o “normal”.

Feliciano em seu carnaval convida algumas pessoas (na maioria ex-travestis ou “ex-transsexuais”) para gravarem vídeos dizendo que sua classe na verdade é duplo-discriminada e que eles desejam visibilidade, agradecem a Deus por “largarem” essa condição e afirmam que Ex-Gay existe sim e eles são a prova. Veja os vídeos:

vídeo 1; vídeo 2; vídeo 3; vídeo 4;

Nunca passou pela cabeça dessas pessoas que elas podiam ser bissexuais e portanto com essa lavagem cerebral reprimiram e jogaram seu lado homossexual no armário de novo? Os relatos chegam realmente a ser impactantes, mas até onde isso não é um teatro? Até onde isso não é simplesmente o resultado de anos de lavagem cerebral e medo, sim, medo de ir para o inferno, medo de não ser aceito por Deus como é, medo da sociedade… Aliás, vamos e convenhamos aceitar que o que move a religião, principalmente a católica é o medo. Você ama e teme Deus. Esse é o ponto. E o medo nos transforma em pessoas que não somos, psicologicamente somos alterados. O medo – não o Demônio – é o maior inimigo do ser humano.

E Feliciano se aproveita do medo para se promover e ao mesmo tempo denegrir a imagem do movimento LGBTT que há anos tenta trazer melhorias para sociedade. Há extremismo nos movimentos? Há, como há em todos os lugares, abomino extremismo, porém não estamos falando dos casos de exceção, estamos falando da grande massa de LGBTT’s que só querem um lugar na sociedade sem discriminação.

Isso é um repúdio aberto a campanha de Ex-Gays de Marco Feliciano, pois esse homem está usando a fé para promover um desserviço à sociedade e principalmente aos LGBTT.

A apresentadora Dani Calabresa, num programa que foi ao ar em 2013 brinca com a expressão da famigerada "Cura-Gay".

A apresentadora Dani Calabresa, num programa que foi ao ar em 2013 brinca com a expressão da famigerada “Cura-Gay”.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s