AOS SURDOS QUE NÃO QUEREM OUVIR

Na realidade esse será aquele tipo de post que: ou vai te interessar muito, ou você não vai dar a mínima.

O Rap nacional sempre foi a voz dos calados pela sociedade, mais especificamente dos guetos e periferias das grandes cidades como Rio e São Paulo. Artistas como Black Alien, Sabotage, Planet Hemp, Criolo entre outros em suas músicas sempre dão uma cutucada no sistema e abordam temas relevantes para pensarmos como eram vistas as coisas em determinada época.

Para quem curte Rap, uma nostalgia, para quem curte história, uma forma interessante de relembrar os fatos e analisar como as estrofes foram construídas e as palavras colocadas para que condissessem com a época.

Situações do cotidiano que algumas vezes passam despercebidas em nossos ouvidos e só se pararmos para realmente ouvir o que essas vozes têm a dizer é que vamos capturar o verdadeiro sentido do Rap nacional, como diz Sabotage “O Rap é compromisso”.

“Trabalho oito horas sete dias por semana só por fumar uma erva eu vou entrar em cana
Deputados cheiram bebem e não vão para prisão porque é ilegal?
Eles que lesam a pátria e sou eu o marginal
Não seja alienado eles falam que faz mal e você aceita calado
Procure se informar”
A Culpa é de Quem, Planet Hemp

“Lembra aquela fita lá João,O bico veio ai,Mó cara de ladrão,
Como é que é Rappa,Calor do Caraio,Licença ai,Deixa eu fuma,Passa bola Romário,
Hum,Meio confiado,Né, Hé,Eu percebi,
Pensei,Ó só,Que era truta seu,Ó o milho,
E disse que tinha um canal,Que vende isso e aquilo,
Quem é,Quem tem, M, pra vende, Quero um Kilo,
Um kilo de que Jhow, Se conhece quem?
Sei lá, Sei não, Hein, Eu sou novo também,
Irmão, Quando ele falo, Um kilo,
É o deixo, É o milho, A micha caiu,
Mais onde é que já se viu, Assim, tá de piolhagem,
Não vai, daqui ali, Mó chavão nesse trajes,
De oculos escuro, bermuda e chinelo,
O negão era policia, Irmão,
Mó Castelo”
Artigo 157, racionais Mc’s

“Na minha mente várias portas,

E em cada porta uma comporta

Que se retrai e às vezes se desloca

E quantos segredos não foram guardados nessa maloca?

Flutuar no céu poluído da cidade e beber toda a sua mentira

Esperança à míngua, torneira sem água. Moeda? É religião que alicia

Vamos cantar pra nossos mortos

Vamos chorar pelos que ficam

Orar por melhores dias

E se humilhar por um novo abrigo” Casa de Papelão, Criolo

“Entre pobres nobres e os ricos esnobes

Eu não vou apertar a mão de quem quer que seja

O lobby não é meu hobby

Platina, ouro branco com brilhantes craveja

Brinda com champagne, tequila e cerveja

O povo em maus lençóis padece na revista Veja

E o mal que tu semeia no grau 666

Vou cantar pra lua cheia sem o Judas na minha ceia

Onde quer que esteja, Jah Jah sabe, somos nós

Peço que Jah Jah nos proteja”Mister Niterói, Black Alien

“Na barão de Itapetininga, sol na moringa

Procuro vagas de emprego, nenhuma vinga

As vagas são pra soldador, empacotador

Exigem muita experiência onde quer que for

Trombo um parceiro que também tava na correria

Ele me diz que tinha um plano pra salvar o dia

“Esquema no anhangabaú pra nós passar bem

Vamo encher nosso baú com notas de cem”

Mas o malandro quando é esperto demais cai

Só peço pro pai paz, e a zica que atrai sai

Tô no limite mas recuso o convite

Peço desculpas por não estar no apetite”A vaga, Ogi

“500 mil políticos, empresários, banqueiros
Não podem controlar 200 milhões de brasileiros
A cooperação é a mística, que muda a política
Além da estatística, revolução pacífica

Ninguém reconhece um Gandhi na Cinelândia
Mas todos reconhecem um menor na Cracolândia
Enquanto uma pequena taxa da população que ganha
Encima leva os filhos pra viajar na Disneylândia” – Medley Nissin, Oriente

“Do ano 2000 pra frente
Homens do passado pisando no futuro, vivendo no presente
Há três tipos de gente
Os que imaginam o que acontece
Os que não sabem o que acontece
E nós que faz acontecer
O bolo, guacê
Unidos a gente fica em pé
Dividido a gente cai
Quem falha cai
Um biribaibaibai
A colaboração do som é a carta na mesa
Aqui rima: Black Alien, Sandrão, Helião, Sabotage
À vontade na balada desde ontem à tarde
Habilidade é o Álibi
No Bix, Granja Man, Zé Gonzales
Quem tá no erro sabe
Cocaína no avião da Fab
Ninguém vai deter o poder
O crime, de là cream de Niterói-Sp
Phd em Thc no país de Fhc
Dream Team da rima, essa união me dá alta estima
Mestre das armas do microfone à esgrima
Vê se me entende, o estudante aprende
O professor ensina
O verbo que fortalece como vitamina
Contamina, na nova velha escola
Como o vírus ebola”
Um Bom Lugar, Sabotage e Black Alien

Enquanto isso tudo esclarecido nada resolvido propina seguindo no bolso nem o minimo ano 2000 não terminou o franja até citou nos travamos, Nostradamus tava certo e não errou “Na Zona Sul, Sabotage.

Espero que tenham identificados seus apelos e encontrado dentro do ritmo a sua poesia verdadeira, não é só no Rap que ouvimos isso, mas também no funk e em outros estilos marginalizados. Hoje decidi escrever e expor o Rap, fiquem de olho na página do Facebook (clicando aqui) para mais dicas de músicas.10175988_748620885158708_4194720295768409373_n

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s